Print Friendly, PDF & Email

O mercado Ver-o-Peso em Belém
uma janela sobre as riquezas e tradições da Amazônia

01/07/2022
Laurent Lefèvre

Maior mercado aberto da América Latina, o Ver-o-Peso de Belém reflete a abundância e a diversidade de produtos (peixes, plantas medicinais, frutas, etc.) do delta da Amazônia. As barracas revelam as crenças e tradições profundamente enraizadas das pessoas que ali vivem.

Em que outro mercado no mundo, além do Ver-o-Peso em Belém, Brasil, você pode encontrar Viagra natural ao lado de uma barraca vendendo artesanato amazônico, uma avicultura vendendo animais vivos, um vendedor de camarões e um de sorvetes e doces feitos de polpa de frutas exóticas?

Bem-vindo ao maior mercado aberto da América Latina, Ver-o-Peso, que fornece peixe, carne, frutas, plantas medicinais da floresta amazônica e muito mais para a capital do estado do Pará (norte do Brasil), que foi reconhecida como uma cidade criativa da gastronomia pela UNESCO. Todos os ingredientes desta cozinha mista, que incorpora influências indígenas, portuguesas e africanas, são comercializados durante todo o ano neste mercado, que funciona de segunda a domingo, dia e noite (leia-se).

Le stand de Dora n° 80, à l’angle de deux allées du marché Ver-o-Peso de Belém/ A banca nº 80 da Dora, na esquina de dois corredores do mercado Ver-o-Peso de Belém.
A banca nº 80 da Dora, na esquina de dois corredores do mercado Ver-o-Peso de Belém.

Viagra para índios

Perto do recentemente renovado edifício neoclássico Solar da Beira, a banca nº 80 da Dora, na esquina de dois corredores do mercado, é dirigida por Sheila na manhã de terça-feira 5 de julho. Esta funcionária de cabeça cinzenta e aspecto sábia não vende óleos para acompanhar pratos locais, mas oferece, entre outros remédios tradicionais baseados em plantas amazônicas, o perfume Bota, que supostamente atrai parceiros sexuais, é o Viagra natural, uma mistura de ervas amazônicas (nó de cachorro, catuaba, ginseng, mirantã e guaraná, uma liana originária da Amazônia brasileira), que também é conhecido como Viagra para índios.

Típico do Pará, o Perfume ou Óleo da Bota é preparado com um pedaço da vagina do boto cor-de-rosa (uma espécie amazônica de golfinho em extinção na lista vermelha da IUCN), conservado em álcool e depois misturado com essências de plantas locais. Seu aroma, que se diz evocar as feromonas do golfinho fêmea, é suposto provocar atração sexual em homens que a cheiram na pele do usuário.

Muito popular entre as milhares de ervas naturais vendidas no mercado, o elixir se baseia na crença das comunidades do interior da Amazônia, segundo a qual o boto se transforma em um homem para seduzir as meninas que ficam junto ao rio. Realizados de forma muito sugestiva por casais, os coreógrafos da dança boto fazem esta sedução. A lenda também permite que a paternidade de um filho nascido de um pai desconhecido ou fora do casamento seja atribuída ao boto.

Le stand numéro 8 de Gregorio, l'affable vendeur de crevettes du marché Ver-o-Peso, qui travaille avec son fils./ No estande nº 8 de Gregorio, o afável vendedor de camarões do mercado Ver-o-Peso de Belém, que trabalha com seu filho.
No estande nº 8 de Gregorio, o afável vendedor de camarões do mercado Ver-o-Peso de Belém, que trabalha com seu filho.

A planta medicinal estrela da Amazônia

Em frente à barraca de Dora, no estande nº 8 na continuação da rua das especiarias (Travessa Oriental do Mercado), Gregorio, o vendedor de camarões, não se preocupa muito com Óleo da bota. O afável proprietário do negócio, de 67 anos, trabalha com seu filho.

Ao lado deles, Ronaldo, o verdureiro, detalha a mercadoria em exposição em sua banca, que abre, como a maioria das outras bancas, às seis horas da manhã: couve, chicória, salsa, coentro e a planta medicinal estrela da Amazônia, jambu, conhecida na França como « cresson de Pará ». Atrás de sua banca, um varejista exibe aves vivas em gaiolas, que às vezes emanam um odor de galinheiro nauseabundo que rapta as narinas e faz com que você queira invadir as bancas de sorvete e doces vizinhas.

L’étal coloré et parfumé tenu par Marcileme, qui vend des bonbons artisanaux fabriqués à partir de pulpes de fruits de l’Amazonie sur le marché Ver-o-Peso.
A barraca colorida e perfumada dirigida por Marcilene, que vende doces artesanais feitos com polpa de frutas amazônicas no mercado Ver-o-Peso.

Gostaria de provar o meu doce de cupuaçu ou jambuaçu?

Além das tradicionais goiabas e mangas conhecidas na Europa, vários estandes no mercado abundam em frutas exóticas mais raras com cores e formas surpreendentes: cupuaçu, fruto de uma árvore nativa da Amazônia, maracujá, cabaça, graviola…

Em uma barraca colorida com vista para o Rio Guamá, Marcilene, uma funcionária, vende doces feitos à mão com polpa de frutas amazônicas: murici, bacuri, uxi, tucumã, cacau e açaí, o fruto da palmeira que cresce na bacia amazônica. Preparado em um molho tradicionalmente servido com os pratos da região, o açaí se tornou um « fruto da globalização »: ele é exportado para os Estados Unidos e Europa. A indústria apóia quase um em cada dez habitantes do Pará e responde por 10% de suas exportações agrícolas.

Como o açaí que pode ser usado como licor, o jambu também é usado para fazer álcool, a famosa cachaça de jambu. Muito popular na região, é vendida em vários estandes, incluindo esta barraca especializada que oferece diferentes versões da bebida com pimenta e canela ou misturada com uma fruta.

L’un des stands spécialisés du marché Ver-o-Peso qui vendent exclusivement de la cachaça de jambu./ Um dos estandes especializados no mercado Ver-o-Peso que vende exclusivamente cachaça de jambu. (Belém, Pará, Brasil).
Um dos estandes especializados no mercado Ver-o-Peso que vende exclusivamente cachaça de jambu.

Trabalho familiar

Cada banca é numerada e traz o nome de seu proprietário com seus dados de contato. Alguns comerciantes também exibem sua foto, como a barraca do Marcelo (« Barraca do Marcelo No. 518 »), ao lado da de seu irmão mais velho, Orivaldo, que ironicamente chamou sua barraca de « Barraca do irmão ». Estes fornecedores de cortes de porco para feijoada e maniçoba (prato típico do Pará) trabalham a poucos centímetros um do outro e compartilham uma verdadeira cumplicidade: « Este é um local de trabalho, mas também uma família: um ajuda o outro, diz Marcelo. Se o cliente estiver aqui [no meu estande] ou ali [no Orivaldo], tudo bem: não há discordância entre nós. »

Eles trabalham desta forma durante todo o ano, cada um dando ao outro um dia de folga durante a semana – domingo para os mais velhos, segunda-feira para os mais jovens. Mais modesto, alguns vendedores não têm um estande designado, como esta mulher, que corta uma castanha do Pará no canto do banco.

Le marché aux poissons, Mercado de Ferro (marché de fer) ouvre ses portes tous les jours dès 6 heures du matin./O Mercado de Ferro (Mercado de Ferro), aberto todos os dias às 6h da manhã.
O Mercado de Ferro (Mercado de Ferro), aberto todos os dias às 6h da manhã.

O mercado do peixe

Às 10h, alguns dos varejistas do Mercado de Ferro parecem cansados: chegaram no meio da noite ou ao amanhecer para comprar a captura do dia dos atacadistas (leia-se), espécies familiares como a dourada local ou típicas da região, como o tamuatá de Marajó.

Muitas das espécies comercializadas aqui vêm diretamente da Amazônia, como a gurijuba, o tucunare ou o pirarucu (Arapaima gigas), um gigantesco peixe de água doce que pode crescer até 3,2 m e pesar até 330 kg, encontrado na bacia amazônica.

Rangel, 68 ans, est présent tous les jours sur son stand du Mercado de Ferro (marché aux poissons), de 2 h du matin à 14 heures/Rangel, 68 anos, está presente em sua banca no Mercado de Ferro (mercado de peixe) todos os dias das 2h às 14h.
Rangel, 68 anos, está presente em sua banca no Mercado de Ferro (mercado de peixe) todos os dias das 2h às 14h.

"De domingo a domingo"


Os varejistas do Mercado operam todos os dias « de domingo a domingo ». A maioria deles possui seus próprios negócios, como Rangel, 68, que está presente no mercado desde as duas da manhã até as duas da tarde.

O estande de Luciano está ao lado da estátua de Nossa Senhora de Nazaré, a santa padroeira da cidade. Com um pequeno par de óculos e uma barba grossa e bem aparada, Luciano, vestindo uma camiseta branca e shorts, detalha seu horário de abertura ao público: das 6h às 13h todos os dias. Com seu chapéu Fedora, este vendedor de frutos do mar de Belém já está planejando as compras que ele tem que fazer no dia seguinte às 5h: 70 kg de camarões locais e 30 kg de rosas (leia-se).

Dadas as longas horas desses trabalhadores, não é raro ver homens dormindo no convés de um barco ou atrás de sua banca sem clientes, tirando alguns momentos para descansar. Na esquina do rio e do mercado de peixe, uma « rede pública » fica pendurada entre duas barracas. É frequentemente ocupada, dia e noite.

Marché Ver-o-Peso, le 5 juillet à 10 h 18 : un homme s’accorde un repos bien mérité dans un hamac à l’angle du du Mercado de Ferro (marché aux poissons).
Mercado Ver-o-Peso, 5 de julho, 10:18 da manhã: um homem descansa em uma rede na esquina do Mercado de Ferro (mercado de peixe).
+ de photos
Porfolio -> Mercado Ver-O-Peso, Belém
Print Friendly, PDF & Email

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

Average rating 5 / 5. Vote count: 6

No votes so far! Be the first to rate this post.

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée.

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Partager sur Facebook
Partager sur twitter
envoyer par mail
LinkedIn
Telegram
WhatsApp